SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.9 número18Controle escolar no Chile: evidências iniciais sobre o ajuste regulatório das escolas privadas municipais e subsidiadasUma análise da percepção que os usuários locais e externos têm dos serviços bibliotecários em uma macro-universidade no México índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


RIDE. Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo

versão On-line ISSN 2007-7467

Resumo

GUERRERO LINARES, Deyra Melina. Estratégia para a implementação da educação para a mídia em escolas públicas básicas. RIDE. Rev. Iberoam. Investig. Desarro. Educ [online]. 2019, vol.9, n.18, pp.302-329. ISSN 2007-7467.  https://doi.org/10.23913/ride.v9i18.425.

As transformações vivenciadas atualmente pela cultura e pela comunicação, fruto do acelerado desenvolvimento da tecnologia e da sociedade de interação, tornam necessária a revisão do modo de educar as crianças e os adolescentes. Não basta fornecer-lhes conhecimento para se desenvolverem socialmente e, posteriormente, trabalharem, porque precisam aprender a viver e cuidar de si mesmos em um ambiente de mídia digital e internet em que constroem grande parte de sua realidade e identidade. O objetivo deste estudo foi projetar uma estratégia para a implementação da educação para a mídia em instituições públicas de ensino no nível básico da área metropolitana de Monterrey, através de um diagnóstico de competências de mídia em questões de segurança, como um possível primeiro passo para sua aplicação nacional. A pesquisa foi descritiva, quase experimental e mista. Uma enquete foi usada para coletar informações. Do total de escolas públicas primárias da região metropolitana, uma amostra de 298 escolas foi calculada na quarta, quinta e sexta séries. Um quase-experimento também foi realizado com três grupos de controle e três grupos de tratamento nos quais foram aplicadas técnicas de educação popular, como problematização, entrevista simples e vídeo para mudança social. Os resultados forneceram um perfil de hábitos: dos 15 830 alunos analisados, 95% utilizam redes sociais, em média quase duas horas por dia, principalmente em casa, no período da tarde e em um dispositivo móvel, como celular ou tablet; 73% iniciaram neles entre seis e oito anos de idade. Os sites favoritos são: YouTube, Facebook e WhatsApp, onde basicamente compartilham vídeos, fotografias, imagens e músicas. De cada 10 crianças e adolescentes: tres não conhecem os riscos que existem nessas plataformas, quatro desconhecem as medidas preventivas que devem tomar e seis interagem em redes sozinho e sem supervisão. Entre os fatores que determinam as estatísticas estão a escassez de conteúdo no assunto em programas acadêmicos e o fato de ambos os pais trabalharem em metade dos lares. As competências de segurança foram aumentadas nos três grupos intervencionados graças à educação para a mídia, por isso recomenda-se a aderir às escolas primárias públicas através de uma estratégia transversal que envolve os três ramos do governo, a mídia tradicional e novos, e um plano piloto nas salas de aula.

Palavras-chave : competências de mídia; educação para a mídia; educação popular; redes sociais; segurança.

        · resumo em Espanhol | Inglês     · texto em Espanhol     · Espanhol ( pdf )