SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 número1Intervención cognitivo-conductual para trastornos del sueño en adultos mayoresSíndrome de burnout en personal de enfermería: asociación con estresores del entorno hospitalario, Andalucía, España índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

  • No hay artículos similaresSimilares en SciELO

Compartir


Enfermería universitaria

versión On-line ISSN 2395-8421versión impresa ISSN 1665-7063

Resumen

COUSELO-FERNANDEZ, I.  y  RUMBO-PRIETO, J.M.. Risco de pé diabético e déficit de autocuidados em pacientes com Diabetes Mellitus Tipo 2. Enferm. univ [online]. 2018, vol.15, n.1, pp.17-29. ISSN 2395-8421.  http://dx.doi.org/10.22201/eneo.23958421e.2018.1.62902.

Objetivo:

Conhecer os fatores de risco de pé diabético e o nível de conhecimentos sobre autocuidados em uma amostra de diabéticos mellitus tipo 2 (DM2), de um centro de saúde urbano.

Método:

Estudo observacional descritivo em Atenção Primária. Intervenção de enfermagem relacionada com pé diabético em uma amostra de usuários diagnosticados de DM2. Coleta de dados de história clínica, avaliação clínica e aplicação de um questionário ad hoc sobre fatores de risco e conhecimento de autocuidados. Análise estatística descritiva e inferencial.

Resultados:

42 homens e 31 mulheres. Média de idade de 69.1 anos. O 65.8% foram diagnosticados de DM2 até mais de 10 anos. A média da HbA1c foi de 6.9%, a qual foi mais elevada nos homens (p=0.02). Também, se observou maior risco de complicações vasculares e neuropáticas nos homens (p=0.04); e uma maior presença de deformidades (helomas e hallux valgus) nas mulheres (p<0.01). Déficit de conhecimentos em mais da metade dos pacientes, relacionado com a hidratação diária dos pés (p<0.01) e o uso de calçado adequado (p<0.01).

Conclusões:

O controle dos fatores de risco de pé diabético deve ser melhorado por parte dos pacientes de nosso estudo. O déficit de conhecimentos relacionou-se com um baixo nível informativo e com a aplicação inadequada das recomendações. Faz-se necessário formar aos pacientes nestes aspectos e realizar una avaliação clínica, segundo a prática baseada na evidencia, o que possivelmente influencie em um melhor controle do risco de pé diabético.

Palabras llave : Pé diabético; diabetes mellitus tipo 2; testes diagnósticos de rotina; cuidados de enfermagem; autocuidado; atenção primária à saúde; Espanha.

        · resumen en Español | Inglés     · texto en Español     · Español ( pdf )